Fumaça e cheiro de mato.

Abriu a boca por um instante e balbuciou alguma coisa. Nenhum som foi ouvido, entretanto. Só o ruído do vento dançando pelo ar e enchendo todos os espaços que se fizeram vazios por tanto tempo.

Na mão esquerda, seringa e soro. Na direita, fotografias que a lembrança fizera questão de esconder. E tudo o que não ficou, e tudo o que não sobrou, voltava neste instante.
Endurecera-se com o concreto, adoecera com as horas no relógio.
Inclinou a cabeça e olhou para o céu. Engraçado como o passado é bonito e grita alto! Uivou furtivamente mais uma vez o vento frio.

E então veio a neblina.
Inclinou a cabeça e em um sorriso, desapareceu.
O que se fizera fosco, curioso, agora era brilho.
Adormeceu.






("Eu não devia te dizer /mas essa lua /mas esse conhaque /botam a gente comovido como o diabo", como já diria Drummond.)

4 comentários:

  1. E então veio a neblina..... Para vc, vem o SOL!!! Brilhe sempre!....

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Há quanto tempo Ana?
    *-*
    Texto mais lindo, se cuida menina.

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo o texto!
    Saudades de sua visitinha no meu cantinho!
    aguardo sua visitia ein!
    Beijos!

    ResponderExcluir

 
Explosão de vento © 2012 | Designed by Rumah Dijual, in collaboration with Buy Dofollow Links! =) , Lastminutes and Ambien Side Effects